19/08/2017

Resenha: Os bons segredos

Título: Os bons segredos
Título Original: Saint Anything
Autora: Sarah Dessen
Editora: Seguinte
Páginas: 408
Ano: 2015
Classificação:

Sinopse: Há segredos muito bons para serem guardados — e livros muito bons para serem esquecidos. Sydney sempre viveu à sombra do irmão mais velho, o queridinho da família. Até que ele causa um acidente por dirigir bêbado, deixando um garoto paraplégico, e vai parar na prisão. Sem a referência do irmão, a garota muda de escola e passa a questionar seu papel dentro da família e no mundo. Então ela conhece os Chatham. Inserida no círculo caótico e acolhedor dessa família, Sydney pela primeira vez encontra pessoas que finalmente parecem enxergá-la de verdade. Com uma série de personagens inesquecíveis e descrições gastronômicas de dar água na boca, Os bons segredos conta a história de uma garota que tenta encontrar seu lugar no mundo e acaba descobrindo a amizade, o amor e uma nova família no caminho.

17/08/2017

Resenha: P.S. Eu te amo

Título: P.S. Eu te amo
Título Original: P.S. I love you
Autora: Cecelia Ahern
Editora: Novo Conceito
Páginas: 368
Ano: 2012
Classificação: 

Sinopse: Gerry e Holly eram namorados de infância e ficariam juntos para sempre, até que o inimaginável acontece e Gerry morre, deixando-a devastada. Conforme seu aniversário de 30 anos se aproxima, Holly descobre um pacote de cartas nas quais Gerry, gentilmente, a guia em sua nova vida sem ele. Com ajuda de seus amigos e de sua família barulhenta e carinhosa, Holly consegue rir, chorar, cantar, dançar e ser mais corajosa do que nunca.



15/08/2017

Resenha: Jogos Vorazes - Em Chamas

Título: Jogos Vorazes - Em Chamas
Título Original: The Hunger Games - Catching Fire
Autora: Suzanne Collins
Editora: Rocco
Páginas: 413
Ano: 2009
Classificação: 4,0

Resenha: Em Chamas é o segundo livro da bem sucedida trilogia de Jogos Vorazes. Depois de ganhar os Jogos Vorazes e desafiar a capital - mesmo essa não sendo sua real intenção - ao salvar a própria vida e a de Peeta, Katniss se sente ameaçada com relação ao Presidente Snow, que acabou percebendo que os momentos de Katniss e Peeta na arena eram encenação.

Katniss - que passou a ser um símbolo de rebelião e conhecida como O Tordo - terá de enfrentar a Capital e decidir que rumo tomar quando suas atitudes nos Jogos incitaram rebeliões na maioria dos distritos. E, ao participar da Turnê da Vitória, Katniss vê que várias pessoas estão lutando e sendo mortas ao apoiarem O Tordo.

"No aniversário de setenta e cinco anos, 
para que os rebeldes não se esqueçam de que 
até mesmo o mais forte dentre eles não pode superar o poder da Capital, 
o tributo masculino e o tributo feminino 
serão coletados a partir do rol de vitoriosos vivos."
- Cap. 13 
Page: 189

A cada 25 anos é comemorado o Massacre Quaternário - uma edição dos jogos com regras ainda mais duras - e neste livro, eles (a Capital) estão comemorando os 75 anos de Jogos Vorazes. E é aí que Katniss se vê obrigada a voltar à arena, por ser a única vitoriosa - mulher - viva, juntamente de Peeta, que se voluntariou para ir no lugar de Haymitch.

Todos os tributos vencedores se sentem incrivelmente injustiçados, pois o trato era que, depois de vencerem os jogos, os tributos vitoriosos estariam livres dos jogos pelo resto de suas vidas. Amigos, conhecidos, parceiros, se veem lutando uns contra os outros para poder viver. Mas Katniss é uma das únicas que consegue se lembrar quem é o verdadeiro inimigo: o Presidente Snow.

Como o romance dos dois não convenceram Snow, mesmo afastada de Peeta, Katniss se vê na obrigação de protegê-lo - dentro e fora da arena - e proteger sua mãe, irmã e seu melhor amigo, Gale. E justamente por isso, seu sentimento por Peeta se torna ainda mais intenso.

Ao final dos jogos, Katniss desafia mais uma vez a Capital - dessa vez, por escolha própria - e descobre (SPOILER) que todo o distrito 12 foi destruído pela Capital e Peeta foi levado por eles.

Então, depois que você descobre que o lugar onde você cresceu foi destruído, e a maioria das pessoas que você conhecia foram mortos, qual atitude deverá ser tomada para livrar os sobreviventes - incluindo você e sua família - de um destino cruel e miserável?

A trilogia me prendeu de uma forma que, quando acordada eu estava lendo e enquanto dormia estava sonhando com ela. Agora é segurar minha vontade de ler ela toda novamente.
E das adaptações cinematográficas, Em Chamas é a que mais chegou perto dos livros.

Espero que tenham gostado, pessoal!
Beijos, Flávia <3

13/08/2017

Eu preciso falar sobre o meu pai... | Especial Dia dos Pais


Mamãe papai, me desculpem, mas eu preciso falar sobre o meu pai...
Não sobre esse homem incrível que Deus colocou na minha vida. Preciso falar sobre aquele que sempre foi e nunca foi. Aquele que até ontem eu achava que era somente um cara maluco, que batia em carros procurando por sua filha. É, eu não sabia, mas esse louco é meu pai.

Eu sei que esse assunto te machuca, mamãe e me perdoe por isso. Sabe, desde que minha avó adoeceu que eu percebi que odeio te ver chorando, odeio te ver sofrendo. Mas eu preciso falar... mesmo que você só ouça, eu preciso dizer tudo isso que tá dentro do meu coração.

Papai, mesmo que o tempo passe, mesmo que eu conviva com o biológico, mesmo que eu passe a gostar do biológico, nada, absolutamente nada entre nós irá mudar. Você é meu paizinho querido, que eu tanto amo.

Agora me deixem falar, me deixem falar o que tô sentindo porque se isso não acontecer eu vou explodir. PAI, você mesmo, o biológico, o que fez e não assumiu, o que fez e finge que não fez... Agora é entre você e eu. Primeira coisa: eu odeio você. Odeio por ter me abandonado, odeio por não se preocupar comigo, odeio por fingir que a vítima é você.

Eu sou a vítima! Eu nada tinha a ver com os problemas que você passou com a minha mãe. Eu nada tinha a ver com sua bebedeira, com seus vícios, com sua raiva... Eu deveria ser seu tesouro, eu deveria ser a pessoa mais importante da sua vida.

Você fez uma escolha, uma escolha que me dói, me machuca, me perturba todos os dias. Eu odeio ter que fugir de você, eu odeio ter que proteger minha mãe de você, eu odeio ficar surpresa quando descubro que fulano é meu parente. Eu odeio tudo que diz respeito a você e as suas escolhas...

Mas sabe o que é pior? É que quando se trata de você, tudo isso pode ser irrelevante, tudo isso pode virar fumaça porque eu simplesmente não consigo não me preocupar com você, com seus irmãos, com seus sobrinhos... Eu odeio você, mas eu me odeio muito mais por, ainda assim, gostar de você.

12/08/2017

Os melhores pais da ficção | Especial Dia dos Pais

Oi, todo mundo! ♥
Como amanhã é Dia dos Pais resolvi mostrar para vocês os melhores pais da ficção, pelo menos na minha concepção. Espero que vocês gostem do post e que amanhã seja um dia para ficar bem pertinho do nosso grande herói.

Mufasa, O Rei Leão

Não poderia deixar de começar essa lista sem citar um dos pais que eu mais amo da ficção. Mufasa, pai do Simba, é aquele típico paizão que não exita nem por um segundo quando se trata de proteger seu filho. Além da ótima relação de cumplicidade que existe entre os dois, é de emocionar qualquer um.

Nate Pullman, Extraordinário

Nate é o pai do Auggie e da Olivia de Extraordinário. Ele é aquele pai que sabe que seu filho precisa enfrentar o mundo, que o incentiva, mas que nunca sai do seu lado. Impossível não se emocionar com as cenas protagonizadas pelos dois (não vejo a hora do filme #ansiosa).

Arthur Weasley, Harry Potter

Um dos pais mais amáveis dessa lista. Arthur sempre criou os filhos com dificuldade, mas uma coisa que nunca faltou de sua parte foi amor. Apaixonado pela família, ele faria qualquer coisa por seus filhos. 

Phil Dunphy, Modern Family

Phil é aquele típico paizão que só costuma fazer trapalhadas. Ele nos tira várias gargalhadas com suas maneiras de agir e sua atuação como pai e marido. É quase impossível não gostar dele!

Cal Lightmann, Lie To Me

Talvez as pessoas não consigam enxergar isso tanto quanto eu, mas Cal Lightmann, pra mim, representa um grande pai. Quando se trata de sua filha, Cal simplesmente faz tudo que pode para ajudá-la. Assistindo a série pela Netflix, ficava ansiosa por alguma cena entre os dois, já que eram repletas de carinho e daquela implicância de pai e filha.

Tiago Potter, Harry Potter

Nada pode superar um pai que se sacrifica por seu filho, não é? Tiago, pai de Harry, escolheu enfrentar sozinho o Lorde das Trevas para proteger sua família, além de, mesmo ausente, estar sempre tentando ajudar o filho. Impossível não gostar da relação entre os dois.

10/08/2017

Leituras do mês | Julho 2017


Ei, todo mundo! <3
Como falei no último vídeo {TBR Maratona Literária de Inverno}, esse mês de julho foi mês de Maratona Literária de Inverno e decidi participar, mas, dessa vez, com uma meta: #nãoaoflopp. Nesse post mostro pra vocês quais foram as leituras que escolhi (e que não fiz, mas também as que fiz). Espero que gostem; não se esqueçam de comentar e se inscrever no canal do blog! Let's go!

 

A Garota no Trem [resenha em breve]
A Guerra Que Salvou a Minha Vida

  

P.S. Eu te amo [resenha em breve]
Entre o agora e o nunca [resenha em breve]
Os bons segredos [resenha em breve]

08/08/2017

Resenha: Jogos Vorazes

Título: Jogos Vorazes
Título Original: The Hunger Games
Autora: Suzanne Collins
Editora: Rocco
Páginas: 400
Ano: 2010
Classificação: 4,0



Sinopse: Mistura de ficção científica com reality show, passando pela mitologia e pela filosofia com muita ação e aventura, Jogos vorazes é o novo fenômeno da literatura jovem. Com um mote surpreendente, o livro, que está há mais de 85 semanas na lista de mais vendidos do The New York Times e de outras publicações de prestígio dos EUA, ganhou elogios de Rick Riordan, Stephenie Meyer e outros formadores de opinião e rendeu à autora Suzanne Collins lugar na badalada lista de 100 personalidades mais influentes do ano da revista Time.


Ambientado num futuro sombrio, Jogos vorazes é pioneiro de uma tendência que vem ganhando força no mercado de best sellers juvenis: a dos romances distópicos e pós-apocalípticos. Primeiro volume de uma trilogia, o livro narra uma luta mortal encenada por crianças e transmitida ao vivo para todos os habitantes de uma nação construída sobre as ruínas de um lugar anteriormente conhecido como América do Norte. Com sua narrativa ágil e ousada, Jogos vorazes foi traduzido para mais de 30 idiomas e vem atraindo leitores de diversas faixas etárias.

Constituída por uma suntuosa Capital cercada de 12 distritos periféricos, a nação de Panem se ergueu após a destruição dos Estados Unidos. Como represália por um levante contra a capital, a cada ano os distritos são forçados a enviar um menino e uma menina entre 12 e 18 anos para participar dos Jogos Vorazes. As regras são simples: os 24 tributos, como são chamados os jovens, são levados a uma gigantesca arena e devem lutar entre si até só restar um sobrevivente. O vitorioso, além da glória, leva grandes vantagens para o seu distrito.

Quando Katniss Everdeen, de 16 anos, decide participar dos Jogos Vorazes para poupar a irmã mais nova, causando grande comoção no país, ela sabe que essa pode ser a sua sentença de morte. Mas a jovem usa toda a sua habilidade de caça e sobrevivência ao ar livre para se manter viva. As reviravoltas do jogo e as dificuldades enfrentadas pela protagonista levam os leitores a sofrer junto com ela, enquanto descobrem um pouco sobre seu passado e seu relacionamento com Peeta Mellark, o outro tributo enviado pelo Distrito 12 para lutar nos Jogos Vorazes.

Inspirada pelo mito grego de Teseu e o Minotauro e bebendo nas melhores fontes da ficção científica, Suzanne Collins faz uma dura crítica à sociedade do espetáculo atual e prende a atenção do leitor da primeira à última página com um romance envolvente e perturbador.

(Créditos: Rocco)

Resenha: Imagine você, com apenas 16 anos, se vendo com a mãe doente pela morte de seu pai e tendo que proteger sua irmãzinha - onde você tem que alimentar à vocês três. A história de Jogos Vorazes conseguiu me prender de uma maneira, onde eu não conseguia tirar os olhos das páginas do livro. Já havia assistido aos filmes, e confesso que enrolei quase um ano para poder ler os livros que estavam sempre me olhando da estante. rsrs

Não consigo deixar de comparar minha vida com a de Katniss. Me identifiquei demais com a personagem. Sua força de vontade, seu jeito mais fechado, o modo como tenta proteger sua família.

São muitos os segredos em Jogos Vorazes, e o maior deles, sem sombras de dúvidas é: Será que Peeta é realmente apaixonado por Katniss? Mas uma coisa é clara: Katniss ama Peeta, mas não faz a menor ideia disso! Na minha opinião, ninguém consegue fingir algo daquele jeito. E a forma como Katniss e Peeta fazem de tudo para proteger um ao outro já diz tudo.

Mas aí que entra Gale, para poder confundir todo o sentimento que Katniss tem por Peeta. Claro que Katniss ama Gale, eles são amigos desde muito novos, praticamente inseparáveis e um sempre esteve cuidando do outro no distrito 12. Mas a própria "Catnip" confessa que nunca teve esse tipo de sentimento por seu melhor amigo. Mas ainda assim, está em um grande conflito interno para poder entender seus sentimentos com relação à Peeta e Gale.

"Do Tratado da Traição:
Como punição pela sua rebelião, os distritos oferecerão dois jovens 
com idades entre 12 a 18 anos para uma "colheita" pública. 
Os tributos serão entregues à custódia da Capital e transferidos para uma arena 
onde lutarão até a morte. Até restar um só vencedor. 
Este torneio será conhecido como 
Jogos Vorazes."


Você se tornar o símbolo de "guerra" de um país, mesmo sem intenção, é algo incrível e ao mesmo tempo perigoso. Ao demonstrar seus sentimentos com a morte de sua "oponente", Rue, Katniss acabou começando um levante em outros distritos. O modo como lidou com a morte da garotinha de apenas 12 anos, que a fazia lembrar de sua irmãzinha a todo momento, fez com que os distritos começassem a se rebelar contra a Capital. E foi uma cena linda, linda demais e que me fez chorar feito criança. E, convenhamos, é muita covardia fazer isso só para a Capital poder mostrar o seu poder.

Lendo a trilogia de Jogos Vorazes eu não consigo deixar de comparar o Brasil com os livros. O presidente Snow  é um babaca - desculpem a expressão - que manipula a população. A população está em uma edição dos jogos a céu aberto. Um matando o outro, roubando, enganando. Pessoas com menos condições morrendo de fome, outras sendo punidas por algo que não cometeram.
E a única conclusão que me vem à mente é: PRECISAMOS DE UM LEVANTE URGENTE! kkkkkk


Pois bem, indico demais os livros. Estou apaixonada por cada detalhe, cada personagem (claro que o presidente Snow está fora dessa lista de favoritos kkkk)... A forma como os segredos são desvendados.



Acredito que agora tenho mais uma série favorita! kkkk

Espero que gostem!
Beijooooos :*
Flávia Gobbo